Saturday, August 18, 2007

MOVIMENTO


No estudo realizado com quase cerca de 40 grafólogos de primeira linha da escola francesa; ficou reconhecida a dificuldade para se avaliar de forma consistente a velocidade na escrita de adultos.
Dentro da aprendizagem a aquisição de uma escrita rápida está ligada à habilidade gráfica e neste contexto entram múltiplos fatores como nível intelectual, afetividade, etc.

J. Pegeout, acredita ainda ser possível interpretar as espécies clássicas de velocidade; principalmente a escrita rápida; mas com cautela.

A Velocidade – um dos gêneros da grafologia clássica - deixou, portanto, de ser considerada como tal.

O certo é que o estudo do MOVIMENTO pode trazer informações mais consistentes do escritor. No livro “Psicodinâmica do Espaço na Grafologia” escrevi sobre os 10 Tipos de Movimentos e fiz uma pequena recordação dos movimentos proposto por Suzanne Bresard no livro “A Grafologia” Ed. Europa América.

Minha posição é que devemos estudar de forma mais profunda o assunto, muito embora caminhe para a posição de concordância com os especialistas franceses; pois meus estudos no livro Psicodnâmica já caminham este caminho.

Os 10 tipos de Movimento:

1. Estático, ou imóvel -- Absence de mouvement apparent
2. Flutuante -- Flottant
3. Inibido -- Coulant
4. Controlado – Contrôlé
5. Fluído ou sem esforço - Vibrant
6. Efervescente -- Effervecent
7. Dinâmico -- Dynamique
8. Propulsivo -- Propulsif
9. Retardado – Barré
10. Revirados para a esquerda -- Cabré


"Quem se interessaria em ouvir os atores falar?"
H.M. Warner, Warner Brothers, no auge do cinema mudo, 1927.

Um grande abraço a todos e obrigado pelos elogios ao livro
"Grafologia Expressiva"

Tuesday, August 14, 2007

CONTINUIDADE

Pessoal;
A tradução foi feita de acordo com os livros enumerados pela Sociedade Francesa de Grafologia.

Mais os livros :
"ABC da Grafologia" Ed. Ariel; traduzido em espanhol.
"Psicologia da Escrita" Gille Maisani.Ed, Pensamento - traduzido em português.
" Grafologia Expressiva". Paulo Sergio de Camargo. Ed. Ágora


A dificuldade é grande pois alguns nem sempre tem similaridade com o português, sendo então o resultado passível de avaliações.

A

Ágil - Aisée
Cadenciada - Cadencée
Colada - Adossata
Combinada - Combinée
Contida - Contrainte
Em compasso - Étayée
Fragmentada - Fragmentée
Agrupada - Groupée
HIperligada - Hyperliée
Inibida - Inhibée
Justaposta - Juxtaposée
Ligação Secundária - Liasion secundarie
Ligada - Liée
Monótona - Monotone
Reenganchada - Reprise
Retocada - Retouchée
Rítmica - Rythmée
Sacudida - Saccadée
Saltitante - Sautillante
Suspensa - Suspendue
Encavaladas - Télescopée
Trait Courvant - Traço Reverso
Trouée - Lapsus de ligação

Friday, August 10, 2007

Comentários:

A “normatização” feita pela Sociedade Francesa de Grafologia certamente vai influenciar boa parte dos grafólogos em todo o mundo.
Certamente novos livros serão editados de acordo com a “nova” estruturação. Isto significa que muitos livros vão estar desatualizados.

Há cerca de cinco anos que venho insistindo na necessidade de algumas revisões.
Comecei a perceber isto ao reler o brilhante livro de Ania Teillard; “Alma y escritura.” Ed. Paraninfo. Madrid.
Os exemplos da autora, coletados na década de quarenta não existem mais; dificilmente encontramos escritas da maneira que foram traçadas.

O mesmo ocorre para grande parte dos livros que formam traduzidos ou escritos em língua portuguesa. Possuem grande valor, repito, não devem ser descartados, mas o estudante que inicia na grafologia, dificilmente vai encontrar escrita com caneta tinteiro.
Algumas espécies desapareceram e outras podem surgir e os grafólogos devem ficar atentos.
Um exemplo disto são as escritas tipográficas, nos últimos anos o volume deste tipo de grafismo tem se ampliado; cabe ao grafólogo encontrar meios e métodos de avaliar com maior profundidade.

No livro “Grafologia Expressiva" Editora Ágora, tentei suprir alguns destes problemas. Selecionei entre 15 mil escritas aquelas cuja freqüência nas espécies eram maior estatisticamente.
Procurei colocar as espécies com a preocupação de não mostrar as mais evidentes.
Por exemplo: a escrita côncava ou convexa; é difícil que o grafólogo encontre no processo seletivo escritas desta forma que iniciam com um ângulo maior que 120º graus ou 75º graus.

Outro “problema” específico da grafologia brasileira e também da sul-americana em geral. A quase totalidade dos grafólogos segue a linha jaminiana; mas apenas dois livros em língua portuguesa mostram como Jamin parte do método.
Volto em outros comentário.